Curte aí...

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Se é que isso é loucura...

Preciso falar sobre amor. São 03:59h do dia 5 de janeiro, e eu preciso falar de amor. Eu finjo que não, mas o amor está presente na minha vida 24h por dia. Eu falo que sim, mas o amor está muito mais presente na minha vida do que eu mesma posso imaginar. Não sei qual é o meu nível de loucura. Se isso é que isso é loucura. Não sei se todo mundo é assim e se todo mundo consegue fingir muito mais do que eu. Ou se todo mundo é assim e não sabe que é. Ou se ninguém é mais assim porque os tempos mudaram. Antigamente as pessoas eram assim? Eu acho que não. O mundo muda muito o tempo todo, mas algumas coisas nunca mudam. Amor é o mesmo amor desde muito tempo até hoje. Algumas pessoas encontram, outras não. Algumas pessoas sentem, outras não. Algumas pessoas refletem sobre isso, outras não. Algumas pessoas se importam com isso, outras não. Já ouvi muita letra de música, muito poema e muita gente falando que o ser humano não vive sem amor, que é o que ele realmente procura e precisa durante toda a sua vida, mas... Todo mundo se esconde tanto. Por quê? Por que se esconder, se o amor é a coisa mais linda e é a coisa melhor do mundo? Se Deus é amor, pra que se esconder? Se família é amor, pra que se esconder? Não sei até que ponto sou louca. Se é que isso é loucura. Mas. Estou aberta. De peito escancarado. Corpo escancarado. Para o amor. 24h por dia. O tempo todo. Respiro e vivo amor. Cultivo amor. Acredito no amor. Em todos os aspectos que o amor pode ter, os explicáveis e os inexplicáveis, os visíveis e os invisíveis, os verdadeiros e os duvidosos, e até mesmo o contrário do amor que dizem que ainda assim é amor. Todos estão em mim todo o tempo.

Mas. Tem UM AMOR, um único amor que é diferente de todos os outros. Diferente porque é um aspecto específico. Não é explicável. É visível. É verdadeiro. E não pode ser o contrário do amor, e mesmo que fosse, continuaria sendo amor do mesmo jeito. Amor de quem pouco se conhece, mas já sabe que é pra sempre. Daqueles que não precisa de muitas palavras, e mesmo que elas venham desesperadamente em todos os momentos, os olhos é que falam. O jeito com que arrumo o cabelo atrás da orelha. O jeito que observo suas mãos enquanto você gesticula e fala. Amor de quem acorda e a primeira coisa que vem na cabeça é a sua imagem. Amor de quem pensa em você o dia inteirinho até na hora de dormir. E quando pensa, é como se nunca tivesse pensado. O estômago revira, nasce um osso de galinha na garganta, o coração dispara e o rosto fica idiota. Um sorrisinho idiota no canto da boca. Sintomas claros, específicos, verdadeiros, e se fosse tudo ao contrário... Seria amor do mesmo jeito. Amor do tipo que quer te contar cada coisa que vou fazer no meu dia, no meu mês, no meu semestre, no meu ano, na minha vida. Amor que te coloca em todos os planos, desde ir na padaria no fim da tarde até uma viagem inesquecível para o outro lado do mundo. Mas ir na padaria no fim da tarde com você também seria inesquecível. Amor do tipo que fica lembrando da sua voz, do seu sorriso e daquela gracinha que você fez, que nem teve assim tanta graça, mas você poderia fazer sempre do mesmo jeito que eu ia rir do mesmo jeito. Amor do tipo que fica memorizando suas expressões enquanto você fala pra se lembrar depois. Que fica filmando cada instante como se ele fosse o último e o mais importante, pra lembrar quando eu fechar a porta do meu quarto depois de ter te encontrado. E perceber que ah, pouco importa, todos os instantes com você são importantes. Amor do tipo que quer saber do que você gosta, só por saber. E quando vejo algo que me lembra, comento pra mim mesma: "Você gosta disso, eu sei, eu lembrei.". Amor que não precisa saber exatamente cada passo seu, só quer saber se está tudo bem. Amor do tipo que cria milhões de situações envolvendo nós dois. Ou do tipo que imagina como seria se você estivesse aqui agora. Amor do tipo que sente seu cheiro no ar, do nada, de repente, e procura de onde vem. Mas vem de dentro porque o seu cheiro é só seu e de mais ninguém. Amor do tipo que tem receio de encostar em você, com vergonha de você perceber o quanto estou tremendo por dentro, aquela tremedeira incontrolável, e de você achar ruim de eu encostar em você as minhas mãos geladas e suadas de nervosismo. Amor do tipo que. Amor do tipo que... do tipo que eu sinto.
Não sei o quanto eu sou louca. Se é que isso é loucura. Mas a esta hora eu não tenho nenhuma dúvida de que não é a toa, não é qualquer coisa, e é assim. Mesmo que eu pudesse apagar você da minha memória e eu não fizesse mais ideia de quem você é, se eu te visse andando pela rua por acaso, me apaixonaria de novo na mesma hora.


(Baseado no filme "Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças")

Ass: Bella Marcatti

14 comentários:

JORGE SCARASATI disse...

LOUCURA? ENTÃO SOMOS TODOS LOUCOS... A ÚNICA DIFERENÇA ENTRE AS PESSOAS É QUE REALMENTE ALGUNS SÃO MAIS SENSÍVEIS, MENOS MEDROSOS E MENOS ORGULHOSOS DO QUE OUTROS, E POR ISSO SÃO CHAMADOS DE LOUCOS, MAS EU CHAMO DE AUTÊNTICOS, DE CORAJOSOS, DE GUERREIROS! PODE APOSTAR QUE VC NÃO ESTÁ SOZINHA NESSA, "SEM AMOR EU NADA SERIA" É O QUE DIZEM NÃO É MESMO? UM GRANDE ABRAÇO E MUITA LUZ E AMOR PRA VC NESTE 2011!

Bella Marcatti disse...

Então, que essa autenticidade e coragem contaminem o mundo!!! Estamos precisando.
Tudo de bom pra vc tb, em 2011 e sempre.
Obrigada por sempre ler e comentar meus posts com tanto carinho. =)

Michel Filipe disse...

Olá Bella, esse post foi resultado das besteiras que falei ontem com você no twitter? Falei da boca para fora, não precisa levar tão a sério.

Existem homens que querem casar e se enquadram no perfil que você deseja, pode ter certeza. Casamento é uma coisa que realmente pode dar certo. Na minha família tenho 2 exemplos que servem de inspiração para qualquer um que queira seguir esse caminho.

Resumindo, o tal do "Jesus Cristo" que te falei existe, mas não é fácil achar. Por favor, não confunda amor com paixão, que é um erro clássico que vejo na nossa sociedade.

Bella Marcatti disse...

Não Michel! O post não foi um resultado da nossa mini conversa no Twitter não. Se vc ler o meu blog, vai achar um monte de posts bem parecidos lá atrás. Eu sou assim mesmo!!
E aí assisti ao filme "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças", o que me deu mais inspiração ainda.
Eu acredito de verdade que existem pessoas sérias e com reais objetivos de se casarem e serem felizes para sempre. São poucas e difíceis de achar, mas se fosse fácil não teria tanta graça, certo??

Relax que não teve nada a ver com vc, eu não levei a sério e nem fiquei chateada, ok?

Beijos!

Jopz_B1B disse...

já que vc kurte as borboletas, lembrei desse post..

http://nervosa-san.blogspot.com/2010/12/my-polaca-friend-from-campinas.html

JOPZ

Bella Marcatti disse...

Uau. Adorei o post. E concordo plenamente com ela. Faz todo o sentido!
E agora resolvi, no dia do meu casamento, quero borboletas! =)
Obrigada por passar por aqui e deixar seu comentário, e a dica desse blog.
Beijos!

Vilarino disse...

oh! cê pegou "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças" também?
É do mesmo roteirista de "Adaptação", quero ser "John malkovich", etc... enfim, ele gosta de uns temas assim...
E é um dos poucos filmes em que o Jim Carrey faz um papel mais sério...
é um bom filme, apesar de ser tenso e triste... é um drama né.. dramas são assim...

Bella Marcatti disse...

Sim, eu gostei mto desse filme. O Jim Carrey está surpreendente. É uma viagem tipo "A Origem", né. Adoro esses filmes que tratam do inconsciente. Dá pra fazer comédia, drama e mais um monte de coisa. Vou assistir esses outros que vc citou e dps te conto o que achei. =)

Flavio Augusto disse...

Meu ... tô pasmo com o que li agora, cheguei a ficar sem ar, tamanha a intensidade desse sentimento que habita (acredite) não só o seu coração, como o meu e o de cada um dos nossos “hermanos” em existência.
Mas são poucos que, como você, têm a coragem de se abrir assim, em plena “World Wide Web”. Muitas são as teorias que tentam, e não passam disso, explicar os motivos que levam alguém a fechar as portas do coração: as experiências mal-sucedidas, a mudança de valores que tem afligido a sociedade atual, ou ainda, a mera insensibilidade de alguns.
O fato é que, como você, eu prefiro ser do contra nesse aspecto. Vejo que a vida, sem o amor incrustado em cada faceta dela, é como um belo arco-íris, incolor. E quero, como o sábio poeta Vinícius de Moraes dizia, viver esse amor, sabendo que ele não é imortal “mas que seja infinito enquanto dure”.
Espero, também como você, um dia ser feliz (como já fui!) amando alguém. Respirar esse amor, indescritível e inebriante como só ele pode ser. E torço para que eu, você, e todos aqueles que amam verdadeiramente não sejamos dragados pela famosa ciranda descrita no poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade. Dessa trama, só aceito participar se eu for interpretar o tal do J. Pinto Fernandes, o que também não quer dizer que serei feliz! Mas esse assunto, a gente deixa para discutir em um próximo “post” ... =D

Miika disse...

Que fofo seu blog! Amei!

Se curte moda, visite: blogdamiika.blogspot.com

Rodrigo disse...

Perfeito.

"Assim ao conhecer alguém preste atenção no caminho que essa pessoa percorreu.
Não deixe de acreditar no amor, mas certifique-se de estar entregando
seu coração para alguém que dê valor aos mesmos sentimentos que você dá,
manifeste suas idéias e planos, para saber se vocês combinam,
esteja aberto a algumas alterações, mas jamais abra mão de tudo,
pois se essa pessoa te deixar, então nada irá lhe restar."

http://www.rodrigorocha.com

Thiago Chang disse...

E eu amo você!

Lucas Calaça Câmara disse...

Com sua licença dona Brabuleta.
A boca fala do que o coração está cheio né verdade?!

E seu lindo coração, está cheio de amor, transbordante, logo surge a vontade, a necessidade, de por pra fora,"e faz um bem danado né Bella!?" (compartilhar com o mundo o nosso sentimento), também me sinto assim e vez ou outra digito, de meu modo, textos que não sei se são facilmente compreendidos ou mesmo se são lidos por alguém, mas é muito bom faze-lo então faço como você.

hipervitaminose disse...

Adorei o texto! Falar de amor é comigo mesmo! E tem tantas verdades aqui que até arrepiei! Vc escreve de um jeito que eu gosto bastante, dá pra imaginar vc falando tudo isso, sabe??? AMEI!

Um bjão!