Curte aí...

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Dodói (Parte III)

Não sei quem foi que inventou aquela frase "nada está tão ruim que não possa piorar". Não sei quem inventou, mas se eu soubesse, daria um cocão na cabeça da pessoa.

E além disso, vai, vai, vai desafiar o seu próprio corpo, vai, teimosaaa!! Foi só eu falar que ia pro ensaio à noite de qualquer maneira, independente do meu corpo querer ou não, e o meu lindo corpo me fez apagar, sumir do planeta por alguns instantes. Tive que voltar pra casa.

Tomei banho sentindo dor até no couro cabeludo (Juro! Sabe aquelas gripes que deixam todo o corpo dolorido? Então!), troquei de roupa capotada, lanchei e fui pro TU. Dentro do ônibus, DO NADA, minha pressão caiu e eu desmaiei. Só vi a mulher perguntando assim: "Você está passando mal?" e eu não vi mais nada. Acordei, o ônibus parado, todo mundo tentando me acordar, eu toda vomitada, toda nojenta. Desci do ônibus meio sem entender, meio zonza, cambaleando, e fiquei no ponto do ônibus esperando o meu pai. Não sei direito como liguei pra ele, como expliquei onde eu estava, o que tinha acontecido. Lembro de mim descendo do ônibus completamente suja, segurando a mochila pela mão direita e o MP3 na esquerda, agradecendo às pessoas e pedindo mil desculpas pelo mau cheiro que ia ficar mareando pelo resto da viagem. Tudo isso misturado, ao mesmo tempo...

No ponto, fiquei um tempão zonza, pois eu não expliquei pro meu pai onde eu estava direito, e então ele ficou perdido me procurando. Deus enviou a... (esqueci o nome dela. Alguma coisa Nete...) a Nete, que me ajudou, ficou o tempo todo do meu lado, me perguntando como eu estava me sentindo e me ajudando a procurar o meu pai. Coitada, perdeu vários ônibus só pra ficar comigo. E quando meu pai apareceu do outro lado da rua, lá foi a Nete atravessando no meio dos carros, enlouquecida, pra saber se ele era mesmo o meu pai. E voltou, e atravessou comigo segurando o meu braço pra eu não cair. Ela é um anjo da guarda, sempre nesses momentos difíceis me aparece alguém. Como disse o meu pai: "Ainda existe gente boa nesse mundo!" VALEU, NETE!!! Onde quer que você esteja...

Agora estou em casa, fazendo cocô mole toda hora. Não sei o que isso tem a ver com a gripe, mas então não era só gripe.

Fiquei lembrando da última vez que vomitei no ônibus (eu sou mestra em fazer isso), desci e fiquei num ponto com um mendigo. Eu tava zonza ainda, e o camarada me faz um sinal de "bebendo" e disse: "Eita cachaça hein minha fiaaa!" E eu, chorando: "Não, moço, tô passando mal mesmo..." Fiquei com vontade de matar ele. E de rir.
Deus sempre me envia as pessoas certas nos momentos cabulosos.

VALEU, DEUS!!

PS: Essa foi a imagem de vômito menos nojenta que eu encontrei. Ignorem a tacinha, sim? A não ser que um de vocês seja o tal mendigo... rsrsrs

Um comentário:

Protzner, Rafael disse...

O que eu posso fazer, "não estando fisicamente ao seu lado" é dizer q acredito q tudo isso pode ser uma fase de crescimento e amadurecimento. Mtas mudanças estão e vão acontecer na sua vida. E inconscientemente vc, e seu amigo corpo (esse é consciente) está reagindo a isso.

Mas eu preferia estar fisicamente...