Curte aí...

terça-feira, 27 de julho de 2010

Diariamente...


Querido diário,

Hoje uma conversa com meus amigos me fez refletir muito sobre você. Estávamos conversando sobre terapia, auto conhecimento, regressão, essas coisas relacionadas a psicologia. E eu caí na besteira de dizer pra toda a roda que apesar de não me considerar uma pessoa 100% saudável e resolvida psicologicamente (tenho lá minhas crises e você sabe muito bem disso), tenho muita consciência dos meus avanços e crescimentos como pessoa por escrever e ler os meus diários. Pra quê eu fui falar? Fechou-se um silêncio ao meu redor e os olhares se centralizaram em mim, demonstrando surpresa e deboche ao mesmo tempo. "Ah, Bella, não acredito que você escreve em diário!" "Que coisa mais infantil, coisa de quarta série!" "Querido diário, hoje acordei, escovei os dentes e fui pra escola..." "Fala sério, Bella! Você faz isso mesmo?"

FAÇO! FAÇO FAÇO FAÇO!

E hoje resolvi fazer na versão online, pra provar que escrever diários é uma prática muito interessante... E todo mundo deveria experimentar.

Pra começar, ajuda na memória. Ao escrever as suas atividades do dia e como foi cada uma você automaticamente as revive na memória. Se algo te trouxe um sentimento bom, você se emociona enquanto escreve. Se aconteceu algo que te deixou com raiva ou chateado, o diário é um amigo que te escuta sem falar nada, sem dar palpite errado. E ainda te faz às vezes conseguir enxergar as coisas por um outro ângulo, com mais tranquilidade. Ajuda a organizar melhor as ideias, tanto para colocá-las no papel como pra entender aquela situação que te pareceu meio complicada à primeira vista.

Quando você pega um diário antigo e lê aqueles sentimentos, aqueles acontecimentos de determinada época da sua vida... Você é capaz de saber se já superou, ou se ainda sofre por causa daquilo. Basta observar se você ri e se acha um idiota, ou se prefere parar de ler para não começar a chorar outra vez. Você vê o que sonhava, o que desejava, e o que tem agora. Você vê o quanto cresceu, o quanto amadureceu, o que mudou, o que permanece. Lendo diários eu já tomei decisões seríssimas que mudaram de uma vez por todas minhas atitudes com relação a certas coisas. E isso fez toda a diferença.

Escrever e ler diário é um momento muito seu, muito íntimo, que só você sabe até onde pode ir, e ao mesmo tempo não tem limites. É seu. Do seu jeito, com seus erros, seus defeitos e qualidades. É o seu retrato escrito. É você em palavras. Suas palavras. É um ato de amor próprio, é um momento pra se conhecer e se revelar a si mesmo. É um espelho de papel. E faz muito bem se conhecer através de você, e não só através do outro, como costumamos nos conhecer.

Diário é coisa de criança? É coisa de adolescente? É. É preciso ter a alma muito pura e uma sinceridade muito grande para escrever sobre si mesmo. Quer alguém mais sincero do que criança? Quer alguém que queira se entender e se conhecer mais do que o adolescente, na fase mais complicada da vida, repleta de mudanças e questionamentos? E por que a gente perde isso? Por que a gente quando vira adulto acha que sabe de tudo? Escondemos os nossos medos, nossas dúvidas, nossos sentimentos... Por que a gente faz isso com a gente? Chega a ser agressivo!

Concluo depois de falar isso tudo que quem não é capaz de escrever um diário é uma pessoa que tem medo de si mesma!


E tenho dito!

Beijos.

Ass: Bella Marcatti.

10 comentários:

Anônimo disse...

Te vi no Mr.Impro e depois, por acaso, no orkut! E aqui estou..
Gostei muito dos seus textos,
Parabéns!
hahaha Algum dia desses vou pensar nessa ideia do diário..
Passar bem!
Thiago

Bella Marcatti disse...

Oi Thiago! Obrigada por aparecer por aqui e deixar o seu comentário. Espero que tenha curtido o Mr. Impro. Você é amigo de alguém do elenco?

E sim, pensa nessa ideia do diário... Juro que funciona. ;)

Abraço!

Anônimo disse...

Não.. Eu só vi o anúncio do Mr. Impro no orkut, aí decidi ir, pq sempre gostei muito do Match!
Mas não conhecia ninguém não.. hehe
E foi muito bom, principalmente suas atuações haha.. Ri muito na que você fez com uma menina do jegue que empacava, e também na sua apresentação solo! Parabéns!
Foi uma pena vc não ter sido a campeã haha
Vc tem futuro pra coisa.. ;D
Beijos!

Bella Marcatti disse...

Ah que bacana! Que bom que vc foi e curtiu, obrigada pelos elogios. Fica de olho pq sempre tem apresentações por aí! Hehe!

Abraço!

Lander disse...

Olá Bella Marcatti, Brabuleta do jardim das palavras...
Cá estou novamente, pois o tema do seu último post muito me tocou- pela identificação.
Não, eu nunca tive um diário(o que é uma pena), mas adoro transcrever pensamentos, sentimentos, observações, impressões, desabafos usando um bloco e uma caneta. E esse olhar para dentro foi instigado, e ganhou força, por um período em que me submeti a um divã[rs]. Foi então que passei a me conscientizar de muitas coisas, racionalizar comportamentos, sentimentos...e a escrita me forneceu uma ferramenta poderosa nessa tarefa.
Eu não posso chamar de diário o meu bloco de notas(que na verdade é um caderno pequeno, aramado e de capa dura), ele se enquadra mais como um “semanário” ou “mensário”, pela periodicidade espaçada- conforme os nomes designam. Você deu algumas definições interessantes desse “confidente mudo”, algumas poéticas, que resumem tudo: “É o seu retrato escrito. É você em palavras. É o teu espelho de papel”.[palmas]..rsrs
No meu “semanário” , “mensário” ou talvez até “anuário”...eu consigo racionalizar mais precisamente uma idéia, ponderar um sentimento e até funciona como um terapeuta ao exteriorizar meus “sapos”, o que trás alívio..kk
Eu não posso deixar de comentar também sobre o preconceito contra diários. O argumento dos zombeteiros é de que se trata de um hábito de crianças e adolescentes. Mas, será que tudo vem das crianças e adolescentes é ruim? A sinceridade, ingenuidade, espontaneidade de uma criança, algo tão raro em adultos, é uma coisa ruim? Tudo bem, o núcleo do argumento, na verdade, é que se trata de algo infantil, imaturo. Mas será mesmo? É imaturo buscar autoconhecimento, interiozar-se na busca do entendimento de questões íntimas independentemente de maneira que se faça isso? Na minha concepção, neste mundo não existe ninguém pronto, e buscar esclarecimento, melhoramento é um despertar divino.
Minha intenção não é ofender quem quer que seja contra o hábito de escrever diários, mas refutar quem o considera um ato ridículo e motivo de troça com quem tem tal hábito(salutar, diga-se de passagem). Eu devo dizer que soa mais imaturo, e que relembra mais comportamentos de “aluno de 4ª série”, o gesto de zombaria. Soa como aquele clássico “tá namorandoo..tá namorandooo”, ou seja, ridicularizar o louvável- o que,neste exemplo, é o passo importante de se relacionar com alguém.
Sinceramente,
Jack Lander.

Beijos a você, Brabuleta do jardim das palavras..

Bella Marcatti disse...

@Lander: Puxa... Eu estou até sem palavras para responder o seu comentário. Me senti mto feliz por alguém ter se identificado de forma tão profunda, e mais ainda, por vc ter dividido essa sua experiência aqui no meu blog. Muitíssimo obrigada! Volte sempre, comente sempre... E continue com o seu caderno de notas. Vc acredita que além dos meus diários eu tenho vários bloquinhos e cadernos tb? Ihhh, o que eu tenho são memórias escritas por aí... hehe!

Um forte abraço!

Lander disse...

olá, Brabuleta..se importa de eu usar esse apelido, pseudônimo?
Então, além do diário você mantém blocos, cadernos de anotações? Uauuuu!!!
Todo esse material um dia renderá uma extensa e minuciosa biografia, já pensou nisto?rss Se você não a compuser, os filhos ou netos ou bisnetos podem organizar todo o material.rs Eu devo confessar que sou um curioso inveterado e com certeza compraria..rs Ah! Esqueci de comentar que, além dos benefícios(já citados) de escrever diários, um aspecto muito bom também é o de melhorar a escrita e a expressão por esta.

Um beijo enorme, é um prazer postar aqui e corresponder-me com vc, viu?

ps.: Perdoe-me pelo último post, que foi gigantesco..rs

Bella Marcatti disse...

@Lander: Imagina, não tem nada que se desculpar. Eu adorei o seu comentário, achei super interessante e me senti de certa forma lisonjeada por vc ter dividido sua intimidade aqui. =)

Quanto à biografia... Não sei não... Tem muita, mas muita coisa que eu escrevi pra ninguém, absolutamente NINGUÉM ler. (Nem eu mesma, num futuro distante.) Talvez se rolasse uma separação dos temas, poderia até ser melhor, mas ainda assim não acho que minha vida seja tão interessante assim a ponto de virar um livro. Hehe!

Mas quem sabe um dia... Hehe!

No mais, vamos nos comunicando. E sim, pode me chamar de Brabuleta. Eu até gosto!

Beijos.

Flavinha Dalle disse...

Oiiii! Tô sumida... Eu sei, mas não esqueci desse blog que adoro!!!!
Faço das suas as minhas palavras!
Você é de uma sensibilidade ímpar e por isso a maioria das pessoas não vão e entender mesmo! Pena!
Continue escrevendo sempre.
Beijos

Bella Marcatti disse...

@Flavinha: Ah, querida. O que me deixa super feliz é contar sempre com leitores assíduos e também sensíveis que gostam do que eu escrevo. Apareça sempre! Saudades!

Beijos!